Detentos trabalham em reforma de escola que atende crianças orfãs na Capital - Jornal da Terra - Noticias em tempo real

24º min
36º min


Detentos trabalham em reforma de escola que atende crianças orfãs na Capital

Ação reduz pena dos internos envolvidos no projeto federal

Publicado em: 29/12/2016 às 08h47

Correio do Estado

Detentos trabalham na reforma da escola - Foto: Divulgação

O projeto “Pintando a Educação com Liberdade” reuniu 20 detentos do regime semiaberto para trabalhar na reforma de escolas públicas em Campo Grande. A Escola Estadual Prof. Emygdio Campos Widal, localizada no bairro Jardim Vilas Boas, recebeu a ação, que entre os 500 alunos, há crianças e adolescentes de orfanatos.

Elaborado pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do Estado de Mato Grosso do Sul (Agepen), em parceria com o Conselho da Comunidade de Campo Grande, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) e a Secretaria de Estado de Educação (SED) firmaram contrato para empregar os presos para trabalharem na reforma de escolas públicas na Capital.

A ação foi idealizada pelo juiz da 2ª Vara de Execuções Penais de Campo Grande, Albino Coimbra Neto, e já está em sua sétima reforma. Contrato, baseado na Lei de Execução Penal (LEP), é válido por um ano, podendo ser prorrogado.

FUNCIONAMENTO DA ESCOLA E PROJETO

Depois da reforma, a escola começará a atender em período integral para o ensino fundamental e médio. Para a diretora da escola, Fernanda Alves Bucallon, este projeto é de grande valia tanto para a escola como para os próprios internos.

“É uma experiência sem comparação, uma via de mão dupla, porque, ao mesmo tempo em que contribui para a revitalização física da estrutura da escola, traz melhoria de vida para o preso. Além disso, estão realizando um excelente trabalho”, afirma Fernanda.

Conforme o diretor da Agepen, Ailton Stropa, graças aos resultados alcançados, a iniciativa tem inspirado outros estados da federação a fazerem o mesmo, já que garante benefícios à sociedade e economia ao Estado.

Para os detentos que participam do projeto, há a remição da pena, sendo que três dias trabalhados é reduzido um dia no total a ser cumprido, além de receberem pelo serviço, possibilitando a reintegração à sociedade prestando trabalhado comunitário.